crônica de escada

.




.
.


.
.





Rembrandt van Rijn, Sábio em um interior, 1633
.
.
........... Subindo a espiral do diário
........... Nosso corpo recebe socos e abraços
........... E se incensa de um fumo
........... De um olor de bosque (canteiro gramado)
........... De um perfume da moça, do moço
........... De escapamentos tóxicos;
........... E exala, de si, o próprio incenso
........... Produzindo choques, contatos
........... Com coragem dizendo: amalgamo.
........... E assim, no templo complexo
........... As velas das nossas fés derretem-se
........... E os pavios emaranham-se
........... Formando a teia de efemérides
........... De que os degraus são feitos.
.
abr.06
.
.
.

Nenhum comentário: