certo choque

.
.
.
Um choque que me torre o osso, uma palavra que nos suspenda, uma pétala que não nos desfaleça, um olho que veja; uma pulga atrás da orelha que salte ora tenha paciência, um caixilho útil, uma manutenção, uma permanência; um macaco preso no zoológico mas solto dentro de um parâmetro minimamente gigante; também o elefante, também a besta, também a gente; um astro que diga me veja brilhando ao mesmo tempo no polo e em Nova York, um astro que diga me veja brilhando longe, um astro que diga me veja; uma pipa uma curica um papagaio, uma rima uma cruz no mapa, um pulo enquanto o corpo pode; um choque que me torre o osso e que me persista.
.
abr.98
.
.
.
.
.

Nenhum comentário: