cangurando

.
.
.
Cê já vomitou um ganso, um gafanhoto? Eu já vomitei um canguru. Saiu num susto e meio tonto depois me achou; de sob a gosma de plasma, de linfa de lágrimas, luzindo na placenta gástrica piscou os olhos, piscou a acidez e em muito silêncio - um silêncio de canguru - olhava-me comigo o questionando: pula?. E a contra-deixa, a resposta úmida, o retruco, só podia ser o que ele tinha e deveria de revelar levando-se em conta o seu estado inédito de embriaguez em ácido e alto índice biliar em sua canguritude - comigo o olhando me olhando me questionou a mim: pula?
.
mar.02
.
.
.

Nenhum comentário: