despertar

.
Vós que me dais o grande exemplo de beleza
E me dais o divino apetite da vida!
.
Manuel Bandeira, "Plenitude"
.
.
.
.......... De onde vem a vontade de viver, esse estranho apetite da vida?
.......... De onde vem a fibra da força, ou força da fibra, esse sentimento de ser ser ser?
.......... De manhã, de acordo, ela acorda, simplesmente com o sopro de existir.
.......... Nem é preciso descortinar, basta a janela ali;
.......... Basta à janela, como ela, existir, refletir a sua existência,
similar.
.......... Ambas embebecidas da manhã.
.......... Uma luz que as acende, não só:
.......... Acompanha a ascensão de suas próprias luzes em um,
.......... Luz dela, janela; luz dela ela, mulher manhã.
.......... Beberá um copo, água transparente.
.......... Acariciará a pele, rugas apaziguadas.
.......... Na pele da mão se estende o gesto em flor:
.......... Abro – luminosa comum rara sou, luminária na luz.
.......... O mau humor, a dor de corpo, o machucado-alma... tudo
.......... Se dilui na nova composição revitalizada – ar.
.......... A atmosfera está em cada átomo
.......... E cada átomo contém a matéria do mundo superior.
.......... Um cão ulula um tom, guardas-noturnos passaram...
nada
.......... Nada permitirá a diluição do espaço.
.......... Puro.
.......... É possível: o prosseguimento.
.......... E essa consubstanciação de entalhos, cavoucos,
rachamentos,
.......... É um veículo – já por si liso...
.......... A manhã é de brancas notas, janela concerto, música
neve amenizando o sol.
.
.
abr.07
.

.
.
.
.

.
.

Um comentário:

Andréah Dorim disse...

"Consegui o pensar direito: penso como um rio tanto anda: que as árvores das beiradas mal nem vejo... Quem me entende? O que eu queira. Os fatos passados obedecem à gente; os em vir, também. Só o poder do presente é que é furiável? Não. Esse obedece igual — e é o que é. Isto, já aprendi. A bobéia? Pois, de mim, isto o que é, o senhor saiba — é lavar ouro. Então, onde é que está a verdadeira lâmpada de Deus, a lisa e real verdade?" - Riobaldo, in GS:V...
(rebrilho do brilho do teu texto... reflexos das frestas acordando co sol a pino: presente que agradeço!)