ponto negro

.
.
.
............ No escuro me sinto mais calmo.
............ O dia claro é falso como uma venda.
............ No escuro a gente não é as bordas girando a esmo
............ A gente é o eixo que, parado, roda.
............ No escuro eu me sacio – pois me encontro comigo
mesmo
............ No mundo extenso de polo a polo.
............ De polo a polo retenho o que é quente – e não me
resfrio.
............ No escuro profuso sem indícios.
.
abr.99
.
. .
.
.

Um comentário:

bia reinach disse...

No escuro me acalmo,
no escuro há silêncio,
o mundo pára,
a força é centrípeda,
o tempo volta a irromper no espaço...

no dia claro, no claro do dia,
o mundo explode,
luz centrifugadora voraz...

respostinha metida a poema,
mas deu vontade de ser assim
meio qualquer coisa...
bisou edu,
biá