elegia

.
.
.
.............. Morte, vos dedico a vida
.............. À vossa bizarra supremacia
.............. À vossa genealogia imprecisa
.............. Se fordes enigma, descubro
.............. Se fordes mentira
.............. Se fordes o diabo rubro ou o avesso da luz
.............. Sem escuro
.............. Se fordes o esqueleto em capuz ou só o oco do crânio
.............. Vos pego vos pico vos ponho no penico
.............. E não encheis mais o saco
.
jul.98
.
.
.
.

Um comentário:

bia reinach disse...

gosto dessa mudança de tom...desse esculacho sem respeito...e lembro do "eu te pego, eu te pico, eu te ponho no penico" da minha infância querida que os tempos não trazem mais... Querida? Não trazem? tempo?