comunicação

a Bia Reinach
.
.
....................... Fresta que da janela vaza
....................... platô de luz inclinada.
....................... Desamordaça.
....................... E deixa: silêncio
....................... livre de quaisquer falas
....................... que projetariam seu peso
....................... em tecido de saliva apertada.
....................... Livre: repete.
....................... É o platô que vem da fresta
....................... em leve inclinação iluminada
....................... planície aérea sólida.
....................... Mina alçada.
....................... E as gemas ao alcance
....................... da mão, da boca, das pestanas calmas,
....................... no nada.
.
mar.10
.
.

6 comentários:

bia reinach disse...

Me emocionei!
Mas difícil este poema...leio, releio, releio, imagino, me deixo levar pelas palavras, pela imagem, pelo que ouço que diz.
Obrigada Edu!

bia reinach disse...

E três horas depois,
tchããã,
fez-se o sentido.
A dificuldade transformou-se em clareza,... acho(quer dizer, disse a mim).
Que bela e forte e rica e simpática esta(s) imagem(ns) da gema, da mina alçada, da planície aérea sólida.
E esse silêncio, que é o mais raro.
biá

edu brito disse...

permita-me mais um pedaço do que clássico...: "rsrs!"

bia reinach disse...

Não entendi teu comentário. rsrsrsrs!

bia reinach disse...

Não mesmo!

edu brito disse...

era pra ter um JÁ no lugar do QUE, "permita-me mais um pedaço do já clássico...: ´rsrs!´", só isso. - esse diálogo está mesmo bem condizente com a "comunicação"... RS