minha boca

.
.
.
Cega minha boca, catatruz, tatraz, cega a minha boca a mais não poderdes, morto de Waterloo, de Jericó, tapete puído do mercado turco – quando eu disser Istambul é que estarei indo –, cega minha boca, jamais, para sempre, as cem velas sobre o bolo em glacê e cada chama e as cem a cegarem, ceguem-me, cega-me-na. Cega minha boca, canção, caduceu, voluntário da pátria, cega minha boca ditirambo que ecoa ainda numa masmorra, janota da praça pública, mochila da bibliotecária, marca da insígnia de... um extintor de incêndio, cega minha boca. Pás, puns, o couro cabeludo a ser retirado para virar o da jaqueta no dorso, a mantilha escondida no fundo do baú há 1 século, com uma carta, as pílulas de folha de lótus intra à caixa de pérola, o estanho do anel, o céu de veludo, a gargantilha, canteiro, partituras; cega minha boca. Se um sino fosse criado – e não se sabe quando – usariam-no como pêndulo e do seu centro com cavo abaixo um badalo do mesmo ferro tiniria reproduzindo sons, e foi assim justamente o que ocorreu. Cega minha boca. Agulhas, mordaça, tecido; os dentes crescem como gelos saindo de um mar dos polos e o bafo não é nítido já que está vivido por dentro. Chove macacos, aquele guindaste irá despencar depois de luxado, a moça alisa a meia-calça depois de tropeçar no buraco do caminho. Cega minha boca: é meia-noite, meia-noite e um quarto... o bicho na pradaria sem mais outro corpo vivo perto gira resfôlega raspa a pata (mira exatamente a lá) e é como se fosse se propagasse nas direções e sutilmente toca, toca-nos. (É inteligível? O bicho. O bicho está vivo na pradaria à noite.) Cega minha boca porque é do desejo é do disco cheio é do frio que o encobre, cobertor pelo avesso, isto é, não de cima pra baixo, cega minha boca porque não está chovendo muito – mas esses pingos que ouço me pergunto se não são gigantes, se não são as patas dos macacos, de elefantes (dançando, visitando o mundo). Cega minha boca. Porque da fralda do pico distante uma fresta de luz ridiculamente se insinua. Por que digo ridícula...? Digo-a, e vou embora. Estamos indo todos.
.
maio.01
.
.

Nenhum comentário: