VF 41

.
.
.
(cf, 5h4) ..... Pode-se sentir no olhar a manhã penetrando através do vidro. Ainda remota no seu corpo, mas já, num seu rabo dianteiro, e frio. Pleno Verão, frio. A baixa altitude dos graus e a baixa luminosidade dão-se os braços e invadem o recinto, são dois abismos corporificados, aéreos, dizer abismos talvez seja exagero, é sutil, são dois calafrios iniciáticos, quero dizer: dois calafrios que ainda que em frio anunciam o início de um dia vindo.
.
*
.
(“, quase 6) ..... A manhã à mancheia de fato. Olhos, dentes, rabos, as grandes narinas e orelhas e a pele de seu corpo – e a vasta cabeleira, como não podia deixar de ser (com estrelas, guizos, com enfeites balançando).
........... A cortina é um decalque em destaque, com própria luminosidade tecida.

.
*
.
(cf) ..... O meio-dia polido de mármore, largo sem fibras, só branco, liso.
........... (em seguida) ..... Algumas gotas de azul. Não chove.

.
*
.
(fc) ..... Azul abarrotado, como sempre perfeito. Se fosse música seria o som musical do silêncio, o que já pode ser ao supô-lo. A roseira rosa do vizinho já não é uma mera roseira: arbusto, flora inteira querendo ser tronco com muitos membros explosivos, cada folhada de pétalas recebe o sol e o guarda dentro. A bicicleta laranja do açougueiro postada por um simples toque que a apoia no poste. A simetria em L das bocas-de-lobo, amarela, em destaque como o outrora decalque na manhã.
........... O açougue baixa sua porta-sanfona com a avalanche de um RRRRUÁ, início da tarde, ainda cedo, mas é domingo. A família do sobrado verde muito claro de portões de ferro preto chega de um passeio tirando muitas coisas do carro levando-as pra dentro. A cadeira famosa do vizinho hoje está virada de leve à esquerda (direita dela) como renovada a uma nova mira de apreciação à próxima estada.
........... Meus pais mandaram cortar alguns galhos das guardiãs, segundo eles vedavam muito a paisagem; de fato, para o bem para o mal agora se abre, no fundo horizonte vê-se um dos prédios da Marginal, a neblina do longe o tapando um pouco, altaneiro, augusto, solitário como um totem.
.
*
.
(do telefone, minha mãe contando) ..... De Manaus a gente ouve os trovões. – E chove? – É: trovão e chuva. [Aqui o azul ainda vibrando. Tão longe?]
.
*
.
(fb) ..... Anoiteceu, faz tempo; a rua parada como um omisso, a secção de um dos galhos brilhante, a cadeira foi reposta no lugar rotineiro. Dentro do postigo um amarelo muito fraco sobrevive.
.
*
.
(janelão) ..... A silhueta e seu cerne da copa da árvore como uma amostra escura de sangue na superfície laminar de uma plaqueta em microscópio: sua tatuagem impressa na folha, lisa, granítica, da estrutura celeste. Uma única estrela engastada.
.
30 01 00
.
.

Nenhum comentário: