VI 12

.
.
.
Ele de cabelos brancos, calvo em cima, ela loira, lisa até os ombros; ele uns 60 anos ela uns 30, talvez pai e filha. Literalmente marcham. Acelerados, no mesmo ritmo, os quatro braços retos vêm e vão, formando o traço de quatro meio-círculos que se projetam. Dois calções pretos, dois pares brancos de tênis, os mesmos peitos estufados. Ela de blusa azul manga comprida, ele de mangas curtas, clara; ele alto, 1,85, 90, ela lá com seus 1,65.
.
*
.
Um homem, 65 anos, cabelo curto e grisalho, calvo em cima, 1,85 num corpo largo com a barriga saliente por baixo de casaco em dois tons de azul – azul-escuro no tronco e parte dos braços, azul-piscina no resto deles. A calça é verde-escura; tênis brancos. Anda, sem pressa, pouco a pouco levanta e ergue a cabeça, o olhar acompanhando. Talvez masque um chiclete ou uma bala, parece ir pensando muito em alguma coisa.
.
*
.
Uma mulher seríssima, calça-moletom azul-cinza, tênis brancos, a camiseta branca revela um tronco entroncado e largo, os seios contidos num sutiã que resiste. Olha pra baixo, a menos de 45º à frente, e os cabelos pretos, curtos, estão amassados atrás, formando quase um ângulo reto, o que, junto à cara inchada, dá a visão da sua cama de onde saiu há pouco. A mão esquerda parece comprida daqui, indo e vindo na linha da andança, esguia se alongando. A direita segura a ponta de uma coleira vermelha que tem na outra ponta um poodle branco, seguro pelo peito e tronco e, ao contrário da dona, parece desperto, feliz da vida.
.
*
.
Um senhor, elegante, 75-80 anos, pouco cabelo, branco e curto (mas cortado preciso), camisa social azul-clara, gola branca, as mangas dobradas até o meio-antebraço. Relógio no pulso esquerdo. A calça, social e de cinto, é verde muito escura; sapatos pretos. Apesar do traje não está perdido e ninguém pergunta; pratica a própria caminhada como os outros. Sério; tranquilo; o olhar mais ou menos baixo, voltado mais a si mesmo. (...) Reaparece caminhando de volta. Passa a mão pela face direita... tem um óculos pendurado no vão da camisa aberta até o terceiro botão... no bolso traseiro e direito da calça, sobra a ponta de um dobrado e branco papel.
.......... (As mesmas garis do passado executando o seu trabalho. Há pouco, o mesmo vendedor de bolas chegou de novo.)

.
29 07 98
.
.

Nenhum comentário: