VP 16

.
.
.
(F) ..... O cinza se foi, não o frio. Está nesse vento brando, nas folhas que arrastam (a mansidão e o vento), nos casacos daquela senhora e do cachorro passeando, naquela pequena nuvem que já passou o topo do prédio, na consistência da tenda do azul absoluto, desde o seu alto até aqui embaixo nos roçando e na terra adentro até sabe-se lá onde; está no sol que suave cobria a C quando há horas atrás a visitei e parei por um momento extasiado e continuei atravessando. Céu e sol, o assunto é sempre o mesmo. Céu e sol sol e céu céu e sol sol e céu, terra: a praça. A C naquela situação era um cenário, o lugar de outra lenda. Tem horas em que o sol assim oblíquo, as copas das árvores nítidas projetando a sombra, a disposição do tabuleiro, você erguido no movimento do jogo, aparentemente parado. O espaço é também construído, é falso de certo modo, onde ocupamos é um terreno concedido, o azul é pintado, cada olor é produzido, o ar é de artifício – mas no momento tudo é sensível como um abraço, amigável há muito tempo, é o bem reconhecível: o natural. Como aqui de certo modo, mas o sol já é crepúsculo, as cúpulas quadradas dos postes baixos vão se acendendo, a sombra e o sereno dão um ar comum ao real, à sua concretude mais justa, quero dizer ajustada ao diário. Um sujeito passeava lá longe com dois pinchers sendo só um na coleira, de repente estava perto já que o solto veio latindo rouco quase se virando do avesso, mordiscou minha camisa agressivo até que fugiu arregalado quando levantei o braço num gesto pacífico mas ocultando um tapa ou ao contrário; ô, desculpa aí, ele tá louco, é só batê o pé que ele sai chispando, disse o dono. Entretanto a beleza da tarde caindo, a beleza das pessoas e de alguns carros passando, o fim esporádico de domingo, a beleza daquela visão da praça do outro lado, num outro tempo, a vontade sem cadeia de dizer isso: a beleza a beleza a beleza a beleza a beleza a beleza a beleza, permitam-me qu'eu repita assim bobo, abobado. “Em dias como esse sinto-me imune.” (Paul Klee; Diários)
.
16 07 00
.
.

Nenhum comentário: