VV 24

.
.
.
Rua, chuva. Na cidade são 3h, quantas insônias somadas? A umidade relaxa a tensão da temperatura, nesta rua tem um asfalto que se emenda com a calçada porque a luz que sai da água é de um líquido que vem da lâmpada, lâmpada do poste está claro, poste de lua esteja proposto, as manchas brancas na passagem úmida são como as manchas brancas no costado de um bicho, bicho vivo (não o tapete do seu couro esfolado), bicho vivo de luz, e água. A que esse vestígio se refere, é imaginário, é da beira de uma praça, ou fui transportado numa viagem ou é de outra pessoa ou de mais um mero fb, agora, à noite? Nos ponhamos a dizer: de tudo isso e mais algo. O que haverá de querer dizer “de tudo isso e mais algo”? São 3h (ainda? ainda não já? – quando comecei não eram 3 horas, eram umas 2 confesso, 2 e 20, 20 e pouco...). Pela minha, a janela da vizinha está acordada. Me pergunto: se somadas as insônias haveria de dar que quantidade, quanta quantidade de que conteúdo? Não quero dizer que “por causa da minha” a janela da vizinha está acordada; quero dizer que através da minha posso vê-la como está agora no estágio dessa noite que não começa nem finda: acordada.
.
12 11 01
.
.

Nenhum comentário: