dia(s)

.
.
(poema desentranhado de um lapso)
.
.
.
.................... um dia flor, um dia parco
.................... um dia porco, um dia marco
.................... um dia olor, um dia charco
.................... um dia fétido e consumo

.................... um dia a dor, um dia alado
.................... um dia passo, um dia pássaro
.................... um dia arado, um dia árido
.................... um dia com couve e a flor, e como

.................... um dia oco, um dia arco
.................... um dia íris, outro cansaço
.................... um dia esbarro, um dia atolo
.................... um dia é o dia: sem limite

.................... um dia foi-se, um dia adiantado
.................... um dia janto, sem apetite
.................... um dia a fome, põe seus enfeites
.................... um dia a lampadazinha explodiu no lavabo

.................... um dia raro, um dia apático
.................... um dia parado, dá-se um impulso
.................... um dia desabo, escorregando
.................... um dia o salto e o teto é que se vire

.................... um dia soneto, um dia sem verso
.................... um dia silêncio, um dia coreto
.................... um dia sou neto, um dia avoeço
.................... um dia, cego, viajo para o centro do centro

.................... um dia é o medo, um dia é o sexo
.................... um dia resfôlego, um dia ambidestro
.................... um dia é exercício, um dia é esquerdo
.................... um dia é o desfecho do nexo ensimesmado

.................... um dia é raro, um dia é avesso
.................... um dia é arco, seta, acerto
.................... num dia parco, parto
.................... e os charcos recobertos de asas sem seus corpos

.
.
fev.07
.
.
.

Nenhum comentário: