condenado à vida

.
34
.
.
No banheiro ele caiu mas se levantou. Como: quebrou a clavícula mas com o incisivo não foi difícil romper a pele fina e arrancar-lhe o segmento já que era impossível remontá-la. Prendeu com os dentes à força, abriu a porta do banheiro, deu dois passos, relembrou o caminho e saiu pela porta da rua com passadas pesadas de revolta até o pronto-socorro. Estava velho, não duraria muito. Não importava a vida curta, importava era passar às portas, chegar àquele novo destino, daí o presente seria um outro (o futuro também), o passado teria a mordida. Passo a passo, subiu a avenida íngreme; passo a passo, contornou parques, voltou de becos; passo a passo, atravessou a cidade inteira. (O sangue se esvaía com muito plasma e logo resseco rachava quando pisado.) À entrada arrancou o osso da boca e com força o depôs no balcão: Preciso de ajuda.
.
21novembro00
.
.
.
.
.

Nenhum comentário: