condenado à vida

.
26
.
.
Barrabás, Dostoiévski, os sobreviventes do massacre dos 111.
.
.
O mundo na Guerra Fria, a Rita Lee de Mutante, a Floresta Amazônica até que se conteste (ou que não se possa dizê-lo).
.
.
O meu cachorro – morto – mas que passa de vez em quando.
.
.
A notícia de hoje de ontem ou de daqui a pouco: dos que escapam de um acidente, de uma fome (por ora com misericórdia, sádica), de uma guerra – sempre com sangue exposto.
.
.
O tigre de bengala, a jaguatirica, o macuco, a barata, sobretudo a barata.
.
.
As Religiões, deterministas, e as iras que vêm com elas – ou de graça ou no seu bojo ou de carona ou simpatizantes suas, o que é dizer a mesma coisa estendendo como numa reza cansativa.
.
.
As aberrações, a falta de tino, a inconsciência, a esperança, o mau caráter, o ser humano, a morte. A sobrevivência. O seu instinto. A sua lista. A quanto custo?
.
17abril00
.
.

.
.

.

Nenhum comentário: