rebojo

.
.

.
.
Podia-se abrir a porta e fechá-la, já que se movimentava para o interior,
mas ela se havia tornado intransponível. Uma palavra bem grande, intransponível.
Samuel Beckett
.
.......... Não
.......... não pode ser assim
.......... pequena vida .......... não reconheço-me
.......... dobrando esquinas
.......... este corpo não é meu
.......... carcaça equívoca 100% de nós
.......... Olho .......... não vejo-me
.......... sou um desses tipos de imbecil
.......... marinheiros de mar sólido
.......... hamlets de cantos escuros
..........
.......... Olha
.......... a que ponto chegamos
..........
.......... mais que lúdicos
.......... rio sem margens baralho sem cartas
.......... fluxo incompreensível de fatos
.......... Não
.......... não pode ser assim
..........
.......... e tudo que somos?
.......... ...esse avesso da lâmina
.......... ...dama-da-noite exalando música
.......... ...arfante coração fera-enjaulada
.......... ...baleia engolindo o céu
.......... É preciso gritar mil vezes MACBETH
.......... incendiar as espirais do dragão
.......... rebentar o navio e mastigar o mar
.......... recuperar cada frescor dos vômitos
.......... É preciso .......... de imediato
.......... transpor esses cadáveres
.......... transpor essa comunicação infranchissable
.......... repor o humor de teus olhos sacanas
.......... É preciso .......... antes do fim
.......... .........................................................................
..........
.......... E o Futebol? .......... Acabou
.......... E Fulano? .......... Morreu
.......... Morreu? .......... Morreu
.......... E Beltrano? .......... Viajou (pra longe)
.......... E Sicrana aquela gostosíssima? Casou-se com Leopoldo
..........
.......... Olho em volta
.......... vejo-nos essa pose tão absurda
.......... – Estão aqui as terras do sem-fim.
..........
jan.90
..........
..........
..........

Nenhum comentário: